Avatar

“Dívida, terrenos, milhões, arrogância, segurança social”: como as redes sociais viram os debates entre Passos e Costa

18 Setembro 2015
Sem comentários

Não é segredo para ninguém que o universo das redes sociais tem vindo a ganhar terreno no espetro político. Essa importância acentua-se ainda mais nos períodos de campanha eleitoral: assessores de imprensa e consultores de comunicação dos líderes partidários desenvolvem verdadeiros planos de ação com vista à conquista de votos nas franjas de eleitorado adepto das redes sociais. Mas qual o verdadeiro impacto dessas estratégias de comunicação no twitter e nos blogues? Como fazer a análise das tendências e de sentimento das mensagens que circulam nas redes sociais?

Investigadores da Universidade do Porto – através da Faculdade de Engenharia (FEUP) e do Laboratório SAPO/U.Porto – e de várias outras  universidades portuguesas desenvolveram uma ferramenta capaz de medir a frequência com que os líderes partidários são mencionados no twitter, nos textos dos media e em artigos de blogues. Os dados recolhidos desde 2011 podem ser consultados em www.popstar.pt .

O debate televisivo de 9 de setembro representou mesmo um máximo histórico de menções a líderes partidários desde 2011. No total, António Costa e Pedro Passos Coelho contabilizaram 8702 menções no twitter durante o período 19-23h. Nos media online contabilizaram cerca de 114 notícias.

Screenshot 2015-09-18 11.38.36

Comparando o debate radiofónico emitido pela Rádio Renascença, Antena 1 e TSF com o televisivo de 9 de setembro, o número de tweets mencionando pelo menos um dos líderes partidários no período 09-13h é bastante menor – 2985. Esta diferença poderá indicar que o meio de difusão e o horário do debate resultaram num impacto menos significativo nas redes sociais. Verificou-se ainda que as palavras mais associadas aos dois políticos foram terrenos, dívida, milhões, arrogância, Segurança Social e tensão. Quanto aos media online, o debate de ontem representou mais 30 publicações online, contabilizando-se 144.

 

Como chegar a estes dados?

A recolha e o processamento dos dados são efectuados através da plataforma POPmine, desenvolvida pela FEUP e o Laboratório SAPO/U.Porto. “A plataforma segue cerca de 100 mil utilizadores do twitter classificados como portugueses, notícias online de mais de 50 publicações nacionais e também blogues nacionais. Utiliza técnicas de Data Mining sendo capaz de identificar personalidades mencionadas nos textos, tais como políticos ou jogadores de futebol. Desta forma é possível criar um índice de popularidade nas redes sociais e outros media dessas personalidades”, explica Pedro Saleiro, estudante de doutoramento na FEUP e investigador nos Laboratório SAPO/U.Porto.

O investigador alerta ainda para a necessidade de ler os resultados com cuidado: “Os dados utilizados, assim como em qualquer estudo, como, por exemplo, as sondagens, têm limitações. Por exemplo, neste momento não é possível avaliar a representatividade da amostra da twitosfera portuguesa. As técnicas utilizadas também têm limitações. Por exemplo, a medição de sentimento é um problema muito complexo e para o qual não há ainda uma solução definitiva”.

Eugénio Oliveira, Professor Catedrático do Departamento de Engenharia Informática da FEUP e coordenador científico dos Laboratório SAPO/U.Porto. afirma que “este projeto se enquadra numa linha de investigação que visa extrair conhecimento de grandes volumes de dados disponíveis online.”

Recorde-se que este trabalho foi desenvolvido no âmbito do projecto POPSTAR, apoiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. A equipa é composta por investigadores do Instituto de Ciências Sociais da ULisboa, do INESC-ID, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e do Núcleo de Investigação em Políticas Económicas da Universidade do Minho.

(artigo original disponível em noticias.up.pt)



Sem comentários